No Gloves On


Leave a comment

O meu Drama Preferido desta Primavera

O volume nos braços e ombros sempre foi uma óptima forma de marcar uma posição muito clara e muito dramática numa peça, pelo menos para mim – talvez pela memória/história das mangas medievais à la Shakespeare – nada como uma boa manga bem volumosa e farfalhuda para chamar a atenção! Certooooo?

Tudo ganha uma dimensão muito além, com umas boas mangas bem destacadas e claramente a guiar todo o resto da colecção para uma Primavera ou Verão perfeitos, saindo da cidade dramática e cheia de mistério, a caminho de uma praia ou campo relaxante.

Enfim, nada como umas mangas bem volumosas para me deixar em pontas e de queixo caído. E se for então em tons simples e fortes aliados a um bâton encarnado statement como na Céline… TCHANANAN! Dramaaaaa!

Qual é o vosso preferido? ;)

<Imagens Vogue>

Advertisements


Leave a comment

Azul é a Cor mais Quente deste Verão ;)

jonathan-saunders-ss-2016-NGO-d

<Imagens Vogue>


Leave a comment

Ouro ou Prata para a Rainha??

Saint Laurent SS 2016

<Imagens Vogue>


Leave a comment

Think ‘REBEL’ Pink

Dior SS 2016

<Imagens Vogue>


Leave a comment

E Então? Vamos Deixar as Pontas Soltas?

Já vem de antes e continuará até muito depois concerteza, mas o ‘Inacabado’ ganhou ainda mais força para a Primavera 2015, Outono, and so on, and so on.

Sabem o que é? O Inacabado? O Desfeito? O Incompleto? O Esquisso?

Enfim… São as pontas soltas.

E o que dá sempre aquele pormenor cru, imperfeito e muuuuuito romântico.

O Inacabado deixa-me sempre surpreendida porque é aquilo que estava a ser criado e montado e antes dos acabamentos (da finalização), fechou, entregou, vestiu e saiu à rua. É naquele momento muito romântico em que quase quase a ‘acabar’ uma peça nos apaixonamos mais pelo  momento da criação do que pela peça acabada, e em que o difícil (extremamente difícil) é conseguir, largar a peça, afastarmo-nos e não continuar a trabalhá-la. Não limar as arestas e deixá-la inacabada…

No fundo o que os criadores conseguiram, ou tiveram coragem de fazer, foi uma colecção em que o processo era exactamente abandonar o processo, quando psicológicamente o caminho nos leva sempre à finalização.

Tanto pode ser um casaco com o ‘alinhavado’ de todas as peças de tecido montadas em esquisso, que nos mostra como se monta um casaco. Ou a saia ‘sem bainha’, ou o fato com um pedaço de seda aplicada cruamente.

E o produto final? A peça inacabada que vamos vestir…?

Brilhante, imperfeita e muuuuuito romântica, sem dúvida.

Enfim, são as pontas soltas que são sempre dificeis de deixar…

Certo?

 

<Imagens Style.com>