No Gloves On


2 Comments

Liberdade É Um Direito

Outro pequeno grande passo!

Nos EUA foi aprovado o Casamento de casais do mesmo sexo. Depois das últimas notícias aterradoras que nos assolaram, foi uma notícia que trouxe um pouco de luz para o mundo que às vezes parece demasiado escuro para eu sequer conseguir pensar nas minhas filhas a crescerem nele.

O Direito ao Casamento é apenas mais um tijolo, existem muitos que já foram postos e outros que ainda virão, e sim, outras noticias mostram que muitos outros tijolos andam a ser retirados ou destruídos, mas há sempre um novo tijolo a ser colocado.

E sim, a tentativa é de construir uma base sólida para este mundo, mais forte e mais resistente, com cada vez mais tijolos. E este tijolo nos EUA faz muito eco, é muito poderoso para ser ignorado, retirado ou destruído.

É um grande tijolo.

Para mim a Liberdade é um Direito de todos, e é Democracia.

Advertisements


Leave a comment

As Ruas no Canadá Continuam Mais Divertidas

Já foi preso e está constantemente em risco de receber multas demasiado (e muitooooo) pesadas, Peter Gibson – a.k.a. Roadsworth – continua a adorar sair de casa à noite e pintar as ruas, as estradas, ou as fachadas da cidade.

Começou em 2001 a pintalgar a sua cidade de Montreal com momentos ultra-divertidos, com a técnica de pintura em stencils, e inspirado pelo seu desejo de ver mais vias para bicicletas na cidade, questionando mesmo a cultura dos carros na cidade. Enfim, não é contra a cultura dos carros, mas é contra os carros como cultura.

Certo ou errado, a verdade é que sempre que existe um excesso em algum lado, do outro existe uma escassez – há sempre dois lados da moeda, não é? Como as estradas, por exemplo, ao serem vividas ou habitadas apenas como um elemento de passagem de carros e praticamente não-habitável por quem habita a cidade, torna muitas vias da cidade em espaços extremamente estéreis.

Só de imaginar andar, correr, passear e pisar estas obras na cidade, desenvolve-se uma nova percepção do que as ruas de uma cidade trazem para o nosso dia-a-dia. Porque apenas ao passo do ser humano (do transeunte) é que é possível ver e perceber estas obras já que da janela de um carro em passagem se torna impossível conseguir perceber algo tão pontual e estático e que faz parte da cidade.

E embora, como os portugueses, adore andar a pé, a verdade é que a vontade de passear pelas ruas a pé se torna ainda maior, assim que começamos a perceber a mensagem de Roadsworth.

<Imagens Roadsworth.com>


Leave a comment

Não É Só Um Saco Amachucado…

E também não é uma fotografia… Inacreditável, não é?

É desenho!

CJ Hendry é uma artista australiana  com um trabalho incrível exposto numa conta de Instagram e encontrei-a num dos meus passeios pela internet, com o trabalho exposto pelo Cool Hunter. Fiquei logo banzada!

É incrível o efeito que ela consegue num desenho com caneta em papel!

O trabalho foto realista e a paciência envolvida revelam a obsessão que a artista tem por certos objectos (normalmente de moda) e que a fazem querer recriá-los à sua maneira. E de que maneira!!

Começa por fotografar o objecto insistentemente e de diferentes ângulos e posições, até conseguir os contrastes mais fortes na fotografia e depois escolhe a imagem mais simples que defina e mostre o objecto  no seu melhor. Imprime essa fotografia em preto e branco e cria uma grelha para poder transportar a imagem para o papel gigante onde irá desenhar com canetas Unipin pretas. Conta que chega a passar mais de 200 horas a trabalhar numa peça…

Claro que inevitavelmente agora olho para uma parede que tenho em casa com a sensação de que precisa de ‘qualquer coisa’. Mais estou completamente apanhada! Mais uma…

Vale a pena ver todos os trabalhos de CJ Hendry na sua página de Instagram aqui! Antes da exposição do Art Hunter, as 6 peças que ia expor já estavam vendidas através desta página…

Que tal? Não é uma loucura??

<Imagens Instagram>

 

 


Leave a comment

A Ponte das Promessas De Amor

Existe uma ponte em Paris – Pont des Arts – onde os namorados, e não só (pais, filhos, avós, netos ou o resto da família), fazem as suas promessas de amor eterno. E ‘trancam’ essa promessa com um cadeado e lançam a chave (desse amor) ao rio Sena. Pois bem, essa ponte está em vias de colapsar por causa do peso do amor das pessoas.

A tradição está a pesar muito na ponte, existem para cima de 700 mil cadeados, então é fácil imaginar o peso extra que a ponte está a suportar para além do peso para o qual foi inicialmente projectada (o peso de pedestres), enfim…

É impressionante o número de promessas de amor, mas os cadeados têm que acabar e os que lá estão, terão que sair. Há que pensar em alternativas para os românticos poderem fazer uma promessa de amor em Paris sem que essa promessa pese demasiado na própria cidade.

Sacré bleu!

E quem deixou lá o seu cadeado, como fica??

Como fica a sua promessa de amor eterno?

Limitada ao destino do seu cadeado?

Triste sina a do amor que fica limitado a um cadeado, non??

Embora já exista um baixo-assinado de ‘morte aos cadeados’, a promessa dos namorados lá ficará.

Já que existe romance ainda no mundo que acredite que ‘aquele’ cadeado simboliza ‘aquele’ amor, há que continuar a ser romântico e acreditar que a promessa de amor não existe por causa ‘daquele’ pedaço de metal, RIGHTTTTT?

E assim poderiam nascer até novas tradições, até porque foi nesta ponte que o Mr. Big se declarou finalmente à Carrie…

 

<Imagem Gettyimages.com>


Leave a comment

Como?? Yoga Nú??

Pois…

Vai-se ouvindo por aí, num burburinho que já passou a conversa: o Yoga voltou às tendências, mas não aquele (o com roupinha) a que estamos todos habituados… O Yoga Nú. Sim…! Yoga Nú e não no conforto e privacidade do nosso lar ou na nossa própria companhia, na companhia de outros (desconhecidos ou conhecidos)… ‘COMO?’

Já existe há uns aninhos em Nova Iorque, mas tem ganho cada vez mais adeptos e está-se a tornar uma verdadeira tendência no mundo do Yoga.

Não me considero uma pessoa nada atrás de nada nem com muitos complexos, sem ser os essenciais (gosto de pensar…) mas… Nua no meio de outras pessoas?? Acho impossível!

Para já, para investir no Yoga, teria que estar muito concentrada em mim mesma (o que já é difícil) e honestamente nua no meio de estranhos não imagino que o nível de concentração se mantivesse ‘concentrado’ na minha cabecinha ou no meu bem estar espiritual ou para lá do meu próprio ‘umbigo’ – entre outras partes – e depois ainda… E os ‘umbigos’ dos outros à minha volta??

Enfim… Realmente imagino que seja uma modalidade do Yoga para pessoas ‘muito à frente’ que se consigam desprender totalmente do lado Nú da coisa… Do mesmo modo, talvez, como os naturalistas conseguem estar numa praia com tudo ao léu sem se sentirem minimamente incomodados, o que para mim é incrível, porque dou por mim a acelerar o passo sem querer, mas querendo, até passar esse lado da praia e largar todos os complexos que dei por mim a ganhar nos poucos metros que caminhei nessa zona.

Quanto ao Yoga Nú, imagino que quem se lança nessas aulas é porque sabe que aguenta, que vai levar a sério e que não vai cair naquele risinho ridículo e nervoso, que provavelmente eu cairia e já caí só de me imaginar nua no meio de estranhos, para além das poses altamente comprometedoras que a minha mente púdica (pelos vistos…) teria ainda que assimilar.

Quanto a mim e para o Yoga, preciso no mínimo de um paninho que separe o meu olhar ‘conservador’ dos vários ‘umbigos’ a contorcerem-se à minha volta.

 

<Imagem de Hdxwallpapers.com>


Leave a comment

A Procura de ‘The Sartorialist’ na Fotografia

Para quem gosta do blog The Sartorialist vai simplesmente adorar este Ted Talk com Scott Schuman. Encontrei este video puramente por acaso – e fiquei mesmo um pouco surpreendida com o número tão reduzido de visualizações…! É um dos blogs mais seguidos no mundo inteiro e o criador um dos melhores fotógrafos contemporâneos. Sabe revelar episódios da vida moderna e captar o mundo do street style e toda a sua importância, melhor do que ninguém (a meu ver, claro!) e penso que foi mesmo um dos maiores impulsionadores do impacto e da força que o street style tem hoje em dia no mundo da Moda.

Neste video conta um pouco a sua história ou a história que ele gosta de contar através da fotografia e claro, não resisti!

Vale a pena!!

<imagem The Sartorialist>


Leave a comment

Bom Ano do Cavalo!!

Com o último dia de Janeiro começou o Ano do Cavalo!

Espreitando o que significa um Ano do Cavalo no horóscopo chinês, posso já gritar ‘BOA!!‘ e do que fui apanhando por aí (só as coisinhas boas e positivas, claro – para as negativas já perdemos o interesse…), aqui vai o que esperar para este ano:

É um ano de vitórias rápidas, com aventura inesperada e romance surpreendente! Perfeito para agir, viajar e namorar!

Na Ásia acreditam que os cavalos nasceram para competir ou para viajar, são animais orgulhosos, independentes, intuitivos, heróicos e muuuuito fortes. O ano do cavalo é considerado um ano próspero, com muita Sorte, cheio de energia e produtividade e que traz coisinhas boas.

Os cavalos são animais com um espírito livre (e selvagem), com um instinto de acção e resposta muito rápido e refinado, on the spot. Então, o Ano do Cavalo é considerado o ano perfeito para arriscar, de acção rápida, imediata e decisiva, sem distracções, e que trará vitória. Claro que se estiver tudo certinho (sem pontas soltas!) porque se não for uma decisão 100% segura, é melhor não se arriscar  porque também podemos estar a galopar com o cavalo no caminho errado. A rédea tem que ter folga para o cavalo nos poder levar com ele, mas não pode estar solta – nós é que sabemos para onde queremos ir! – senão vamos para onde o cavalo nos quiser levar e sabe-se lá para onde é…! Então com todos os pormenores bem definidos para tomar a grande decisão, o Ano do Cavalo é o ano da acção (lançar o negócio, dar uma volta ao mundo, comprar a casa, casAAAAAR, etc. ). É o ano perfeito para arriscar.

Quanto às pessoas que nascem no Ano do Cavalo, muito charme natural, franqueza e orgulho (não há aqui nada a esconder…!)  e a diversão, a boa-disposição e festa sempre presente na vida. Mas precisam de muito espaço para (galopar…) a sua independência e expressão pessoal, porque se não for assim, o cavalo vai fazer questão que assim seja e revolta-se.

Que tal? Não é FANTÁSTICO??

Bom Ano do Cavalo !!

<imagem Vogue.us>